A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 19/05/2017 10h11

    "Áudios são gravíssimos. É uma cesta de crimes para escolher", diz autor do 1º pedido de impeachment de Temer

    Deputado Alessandro Molon classificou com "gravíssimos" áudios

    Foto: Gustavo Lima /Câmara dos Deputados

    O deputado federal de oposição Alessandro Molon (Rede-RJ) classificou como "gravíssimos" os áudios do diálogo entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista. Para o parlamentar, a divulgação da gravação completa, feita na quinta-feira (18), em nada atenua a situação do presidente da República. Molon é autor do primeiro pedido de impeachment de Temer, tão logo foi noticiada a existência dos áudios, ainda na noite de quarta-feira.

    "Obstrução da Justiça, prevaricação, apoio à manutenção do pagamento de propina a um criminoso preso que é Eduardo Cunha. Passando por crime de responsabilidade contra a probidade na administração. É uma cesta de crimes, dos quais se pode escolher qualquer um para fundamentar o pedido", justifica Molon.

    Em entrevista ao Gaúcha Atualidade nesta sexta-feira, o deputado federal afirmou que não há como considerar "leve" o que Temer disse ao dono do grupo JBS.

    "Um empresário que entra pela garagem sem se identificar, o presidente que ouve um empresário dizendo que comprou dois juízes e um procurador e não toma nenhuma atitude. Os áudios são gravíssimos", avalia o deputado.

    O parlamentar diz confiar no andamento do pedido de impeachment na Câmara dos Deputados, mesmo o presidente da Casa sendo um aliado governista. Molon entende que Rodrigo Maia (DEM-RJ) irá considerar o próprio futuro político.

    "A carreira de Temer acabou. Já Maia é um jovem, tem com o que se preocupar. Se ele permanecer agarrado a Temer, afundará com ele", afirma.

    O deputado projeta três possíveis cenários para Temer: o agravamento do cenário, que poderia levar a uma renúncia; a perda do mandato devido à cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral; e o impeachment. Até o momento, oito pedidos de impeachment foram protocolados contra Temer, desde a divulgação da informação sobre a conversa com o Joesley Batista.

    Gaúcha
     
    Comentários