A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 08/09/2015 9h30

    Brasil jogará em estádio que tem rodízio de gramado

    Jogadores não gostaram do estado do piso do Gillette Stadium

    Foto: Rafael Ribeiro

    Não é novidade os gramados “naturais” nos Estados Unidos apresentarem problemas. Não será diferente no jogo desta terça-feira. O Gillette Stadium apresenta um piso original sintético, no qual são jogadas as partidas do campeão do futebol americano, New England Patriots. Toda a vez que há uma partida de “soccer” (o estádio também é casa do Boston Revolution) se faz necessária a colocação de um tapete de leivas de grama natural. Cada operação destas custa mais de 100 mil dólares.

    Brasil entre a busca da vitória e o risco das experiências contra os Estados Unidos

    Os jogadores da Seleção Brasileira fizeram reparos ao gramado, dizendo que nas emendas das leivas criam-se buracos e irregularidades que dificultam o domínio e modificam a trajetória da bola. Depois do jogo desta terça, a grama será imediatamente retirada pois na quinta-feira o Patriots faz sua estreia na temporada enfrentando o Pittsburg Steelers.

    Lucas Lima diz que esperava ter tido mais sequência no Inter

    A dificuldade com o gramado não existiu para o Brasil no jogo contra a Costa Rica pois a Red Bull Arena, em New Jersey, é um estádio próprio para soccer e com grama natural permanente.

    A Seleção já conhece o estádio de duas apresentações. A primeira delas foi na derrota para a Venezuela em 2008 por 2 x0, quando Dunga era o treinador. A última foi a vitória contra Portugal por 3 x 1 em 2013, sob o comando de Felipão e com atuação destacada de Neymar.

    Inaugurado em 2002, o Estádio tem capacidade para 68 mil torcedores e fica em Foxborough, a 35 km do Centro de Boston. 

    Treino fechado do Brasil teve Imprensa atrás das cortinas

    Treino "a portas fechadas" é uma expressão comum. A Seleção Brasileira, porém, inaugurou o treino "a cortinas fechadas". No Gillette Stadium a Sala de Imprensa tem vista panorâmica para o campo de jogo. Como os jornalistas precisavam ficar no local trabalhando, as cortinas foram todas fechadas. As possíveis espiadelas eram controladas severamente por um funcionário da Federação Norte-Americana e sob os olhares do Assessor de Imprensa da CBF, Vinicius Rodrigues. 

    Gaúcha
     
    Comentários