A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 18/05/2017 21h18

    "É só isso?", teria dito Temer após ouvir gravação feita por dono da JBS

    Presidente afirma que não há no diálogo elementos que comprovem a compra do silêncio de Cunha

    Foto: Guilherme Britto /PR / divulgação

    Cercado por parlamentares e ministros em seu gabinete, o presidente Michel Temer ouviu na noite desta quinta-feira (18) a gravação da conversa com Joesley Batista. O peemedebista considerou frágil a parte do áudio na qual o empresário comenta que está "de bem" com o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

    "É só isso?", disse Temer aos aliados.

    O presidente, que também leu a transcrição do diálogo, afirmou aos parlamentares que não há na conversa nenhum elemento que comprove a compra do silêncio de Cunha. 

    "Eu tô de bem com o Eduardo, ok...", disse Joesley.

    "Tem que manter isso, viu", respondeu Temer no diálogo.

    Leia mais sobre a delação da JBS e a crise no governo

    O presidente estava em seu gabinete com políticos aliados, que comiam sanduíches e bebiam suco e água, quando os áudios foram divulgados por sites. Um assessor da Casa Civil correu até a sala na terceiro andar do Planalto com um computador, enquanto outros auxiliares trabalhavam na transcrição. Todos ficaram em silêncio para ouvir a conversa.

    "Senhor foi vítima de um exagero, presidente", disse Darcísio Perondi (PMDB-RS).

    Esse é o argumento que será repetido na estratégia de defesa do Planalto junto à opinião pública e aos parlamentares da base que pregam a saída do governo. A expectativa entre ministros é sustar a derrocada entre aliados no Congresso, apesar do receio do impacto de outros trechos pesados da conversa de Temer com Joesley.

    No começo da noite, o Palácio do Planalto divulgou nota. Leia a íntegra:

    O presidente Michel Temer não acreditou na veracidade das declarações. O empresário estava sendo objeto de inquérito e por isso parecia contar vantagem. 

    O presidente não poderia crer que um juiz e um membro do Ministério Público estivessem sendo cooptados. 

    Ouça o diálogo entre Temer e o dono da JBS:

    Gaúcha
     
    Comentários