•  Porto Alegre
  •  Santa Maria
  •  Serra
  •  Zona Sul
08:00Correspondente Ipiranga08:09
 
 
 
 
A
 
 
 
 
- Atualizado em 23/01/2014 22h44

Em assembleia, Sindicato dos Rodoviários decide pela greve nos ônibus de Porto Alegre

Paralisação começa na segunda-feira

Galeria de imagens

Assembleia do Sindicato dos Rodoviários realizada na noite desta quinta-feira (23), aprovou a paralisação nos ônibus de Porto Alegre a partir desta segunda-feira (27). No entanto, o amanhecer desta sexta-feira (24) já será marcado por transtornos aos usuários, já que está previsto o bloqueio da garagem de ônibus de algum dos consórcios que operam na Capital gaúcha, que será definida em reunião marcada para as 7h. Segundo a categoria, a mobilização é necessária para pressionar o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (SEOPA) a aumentar a proposta de reajuste salarial. Os rodoviários cobram aumento de 14%, mas os empresários se limitam a oferecer a reposição da inflação, de 5% a 6%. A plenária realizada no Ginásio Tesourinha reuniu 595 pessoas que aprovaram por unanimidade a paralisação.

Durante a assembléia, houve divergência sobre a data de inicio da paralisação. Parte dos rodoviários e sindicalistas defendeu que a circulação dos ônibus já fosse interrompida nesta sexta-feira, mas prevaleceu o entendimento de é necessário comunicar o Ministério Público do Trabalho (MPT) e cumprir o prazo legal de 72 horas entre a assembléia e o inicio da greve. O objetivo é evitar contestações judiciais que inviabilizem a paralisação. Os rodoviários também garantiram que vão cumprir a exigência de manter 30% da frota em circulação.  “O usuário tem três dias para se preparar. Na segunda, haverá menos ônibus na rua, os coletivos vão estar mais lotados e com menos freqüência”, alertou o presidente da comissão de negociação, Alceu Webber.

As negociações entre trabalhadores e empresários ocorrem desde dezembro, mas não tiveram êxito. Na semana passada, os rodoviários realizaram dois protestos, com a Operação Tartaruga, após assembleia da categoria ter aprovado estado de greve. Além do reajuste salarial, os trabalhadores reivindicam aumento de R$ 1,00 no vale-alimentação, adicional de risco de morte e redução da jornada de trabalho para 36 horas por semana. As empresas de ônibus garantem a renovação de benefícios como passe livre gratuito, bonificação por tempo de serviço, vale-alimentação no valor de R$ 16,00 por dia trabalhado e subsídio do plano de saúde.  

Confira a íntegra da nota emitida pelo Sindicato das Empresas de Ônibus:

Após assembleia realizada ontem (22), o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) decidiu manter a proposta de reajuste salarial apresentada aos rodoviários. Conforme já divulgado, o Seopa oferece a reposição integral da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (período de 1º de fevereiro de 2013 até 31 de janeiro de 2014) e a renovação de benefícios como passe livre gratuito, quinquênio (bonificação por tempo de serviço), vale-alimentação no valor de R$ 16,00 por dia trabalhado e subsídio do plano de saúde.

A entidade patronal diz ter considerado a possibilidade de acréscimos na proposta, mas diante da permanência do quadro de indefinições sobre a tarifa de ônibus, julgou mais adequado não fazer alterações. “A remuneração de mão de obra é o item com maior peso nos custos do sistema. Seria uma irresponsabilidade da nossa parte propor um reajuste que, mais adiante, não pudéssemos cumprir”, explicou o vice-presidente do Seopa Eloy dos Reis. Sobre a possibilidade de greve indicada pelos trabalhadores, Reis disse que a entidade acredita ter feito uma boa proposta e que uma interrupção dos serviços não se justifica. “Os nossos rodoviários têm um dos salários mais altos do país na categoria. Embora preferíssemos ter condições de oferecer mais, tenho convicção de que estamos sendo coerentes com a nossa realidade”, finalizou Reis. 

Comentários