A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 24/06/2017 20h18

    Em Pelotas, Inter vence o Brasil-Pel e volta ao G-4 da Série B

    Gol de Fabinho no primeiro tempo deu a vitória que deixa o time na terceira posição

    Foto: Ricardo Duarte /Inter / Divulgação

    Depois de três jogos sem vitória, o Inter voltou a vencer. Jogando bem, a equipe de Guto Ferreira foi a Pelotas e ganhou do Brasil-Pel por 1 a 0, gol de Fabinho. O resultado deixa a equipe na terceira posição após 10 rodadas na Série B.

    Enquanto o Inter foi aquele mesmo especulado na sexta-feira, com Brenner de centroavante, Edenilson e Charles ao lado de Dourado no meio e Fabinho na lateral direita, o Brasil teve sete mudanças com relação àquele que havia vencido o Juventude na terça. Eduardo Martini, Leandro Camilo, Evaldo (suspenso), Marlon, João Afonso, Wagner e Bruno Lopes ficaram fora. Jogaram Marcelo Pitol, Cirilo, Teco, Breno, Leandro Leite, Nem e Marcinho.

    O jogo começou acelerado porque o Brasil se atrapalhou na saída de bola. O passe para trás foi ruim e o zagueiro Teco errou, Brenner abriu para Fabinho cruzar na cabeça de Charles, que obrigou Marcelo Pitol a espalmar para escanteio.

    Aos 15 minutos, Uendel fez ótimo lançamento para Sasha, que chegou antes de Marcelo Pitol e desviou. A bola passou a centímetros da trave.

    Pouco depois, Charles tentou novamente. Seu chute foi desviado pela defesa e quase surpreendeu o goleiro, que deu um passo para trás e tirou para o lado.

    D'Alessandro quase marcou em um lance fortuito. Pela direita, tentou cruzar e encobriu Pitol, que torceu para a bola passar por cima. Pois passou.

    Só o Inter tentava. Aos 31, Rodrigo Dourado fez jogada pelo meio e a bola sobrou para Sasha chutar e Pitol defender.

    O prêmio pela atuação veio aos 38 minutos. Brenner ganhou de Cirilo na esquerda, protegeu e cruzou para D'Alessandro, que deu para Fabinho chutar cruzado e vencer o goleiro, 1 a 0.

    O segundo tempo teve o mesmo início do primeiro. Antes do primeiro minuto, o Inter quase ampliou. Após cruzamento da direita, Sasha cabeceou, a bola passou por Pitol e Cirilo salvou em cima da linha.

    Rogério Zimmermann mexeu no time aos 12 minutos. No lugar de Nem, colocou Juninho. E foi dele o primeiro susto que o Inter levou no jogo. O atacante entrou na área pela esquerda, ganhou da marcação e chutou cruzado, obrigando Danilo a fazer a intervenção.

    A resposta colorada saiu em um escanteio que D'Alessandro cobrou e a bola cruzou toda a área sem ninguém para concluir ao gol.

    Guto Ferreira também fez uma alteração, tirando Sasha e colocando Diego. O primeiro lance depois da mudança teve passe da direita para D'Alessandro ajeitar e chutar, ao lado da trave.

    Aos 24, o Brasil esteve perto do empate. Após cobrança de escanteio da esquerda, Lincom saltou mais do que Edenilson e cabeceou ao lado da trave.

    Nos minutos finais, o Brasil cresceu. Aloísio obrigou Danilo a defender ao arriscar um chute de fora da área no lado direito. Para aumentar a força ofensiva, Zimmermann tirou o volante Leandro Leite e colocou o centroavante Gustavo Papa. Mas foi o Inter — mais especificamente Marcelo Cirino, que recém havia entrado no lugar de Brenner — quem perdeu a chance de matar. E duas vezes. Primeiro, recebeu de D'Alessandro e, sozinho, chutou em cima do goleiro. Na cobrança de escanteio, D'Ale e Fabinho combinaram, o lateral-volante cruzou na cabeça do camisa 77, que botou para fora. No lance seguinte, Diego chutou por cima da trave.

    Diego teve mais uma chance de liquidar o jogo. Em um contra-ataque, D'Alessandro deu para Fabinho, que cruzou para trás, onde estava Diego, com tempo para dominar, olhar e chutar para fora. Antes do apito final, Uendel criou outra oportunidade, mas sua conclusão foi defendida por Marcelo Pitol.

    Zero Hora
     
    Comentários