A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 13/08/2015 16h16

    Estudante de escola particular consegue vaga de cotista na UFRGS

    Justiça concedeu a vaga mesmo com aluna tendo feito parte do ensino médio em instituição privada

    Foto: Lauro Alves /Agencia RBS

    Uma sentença em segunda instância beneficia uma estudante e mexe no sistema de cotas do ensino superior. O Tribunal Regional Federal da 4ª   região confirmou, na última semana, a obrigatoriedade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em matricular no curso de Música uma estudante aprovada pelo sistema de cotas destinado à escola pública, mesmo ela tendo cursado parte do ensino médio em instituição privada.

    Ela foi aprovada em 2012 no vestibular, após fazer parte do terceiro ano na modalidade de Ensino de Jovens e Adultos em uma escola privada. A estudante teve a matrícula negada, com o argumento de que não se encaixava nos requisitos legais.

    A aluna recorreu e ganhou na primeira e na segunda instâncias. O juiz federal Sérgio Renato Tejada Garcia alegou que o reduzido e inexpressivo tempo cursado em escola particular não dava a ela vantagem de qualidade de ensino em relação aos demais candidatos.

    Gaúcha
     
    Comentários