A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 15/06/2017 16h17

    Morre aos 90 anos Paulo Bellini, fundador da Marcopolo

    Ele estava internado no hospital da Unimed

    Foto: Jonas Ramos /Agencia RBS

    O presidente emérito da Marcopolo, Paulo Bellini, morreu na manhã desta quinta-feira (15). O fundador da fabricante de ônibus de Caxias estava internado no Hospital da Unimed desde a semana passada com uma infecção. O velório será a partir das 15h no Memorial São José, localizado à Rua Vinte de Setembro, 3.167, São Pelegrino, em Caxias do Sul.  A cremação será na sexta (16), às 15h, no Memorial Crematório São José, Rua São Virgílio, Caxias do Sul.

    O presidente da companhia completou 90 anos no mês de janeiro, quando reuniu mais de 800 convidados nos pavilhões da Festa da Uva. Em agosto do ano passado, para comemorar o aniversário de 67 anos da Marcopolo, Bellini também participou da inauguração do espaço memória Valter Gomes Pinto, que homenageou o outro sócio da empresa. Valter Gomes Pinto morreu aos 81 anos, em 2013.

    Neto de imigrantes italianos, Bellini fundou em 1949 a empresa com um grupo de 17 colaboradores. Das primeiras carrocerias em madeira, que levavam 90 dias para serem fabricadas, foi pioneiro em um novo segmento da indústria automotiva. Os chassis eram próprios para caminhões na época.

    Na década de 1960, a empresa ingressou no mercado exterior e realizou a primeira exportação de ônibus brasileiros, para o país vizinho Uruguai. Ainda na década de 60, foi lançado o modelo Marcopolo e o sucesso alcançado fez com que, em 1971, a empresa adotasse o nome Marcopolo.

    Nos anos 1990, a Marcopolo iniciou o programa de internacionalização e passou a abrir fábricas fora do Brasil.  Atualmente, a empresa tem unidades em 9 países, além de seis fábricas no Brasil.

    Paulo Bellini introduziu nas unidades da empresa na Serra Gaúcha o sistema de produção Marcopolo, focado na valorização e no aperfeiçoamento dos colaboradores para produção em larga escala de “ônibus customizados”, como ele mesmo definiu: uma grande alfaiataria, onde o chassi é a calça, e a carroceria, o paletó. No ano passado, Bellini comemorou os 30 anos do Simps (Sistema Marcopolo de Produção Solidária) e Sumam (Sugestões de Melhoramentos do Ambiente Marcopolo), tendo também como base o Sistema Toyota de Produção. 

    O Simps surgiu em 1986 depois que Paulo Bellini, atualmente presidente do Conselho de Administração da Marcopolo, viajou ao Japão com um grupo de empresários caxienses com o objetivo de conhecer a filosofia de administração e de produção utilizadas naquele país.

    Repercussão
    O vice-presidente de Indústria da Câmara da Indústria Comércio e Serviços de Caxias (CIC), Carlos Zignani, que foi CEO da Marcopolo entre 1996 e 2000 e trabalhou por 33 anos na companhia, lamentou a notícia da morte de Bellini.

    "Paulo Bellini é um ícone de Caxias, para a industrialização de Caxias do Sul, principalmente na área de veículos pesados. Contribuiu para a introdução de Caxias do Sul no mundo. Hoje, a Marcopolo exporta para mais de 30 países", disse Zignani.

    O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias e Região (Simecs), Reomar Slaviero, destaca a inteligência estratégica de Bellini que, segundo Slaviero, fez a Marcopolo ser o que é hoje. O presidente do Simecs também destaca a paixão que Bellini tinha pela SER Caxias.

    Vice-presidente de Relações Institucionais da Marcopolo, José Antônio Fernandes Martins, conheceu Bellini em 1965 durante um voo em que também estava o irmão Dorval Nicola. Bellini acabou transportando ferramentas de Martins para Porto Alegre e foi o início de uma amizade e uma relação profissional duradoura. 

    "Ele foi uma pessoa exemplar, que se dedicou de corpo e alma para a empresa", destacou o vice-presidente.

    Martins conversou pela última vez com o fundador da companhia no hospital, mas disse que eram frequentes os encontros na Marcopolo, pois até cerca de um mês Bellini continuava indo à fábrica.

    Biografia
    Nascido em 20 de janeiro de 1927, em Caxias do Sul, Paulo Bellini era filho dos descendentes italianos Alberto e Ermelinda Segalla Bellini. Casado com Maria Célia, já falecida, teve três filhos, James Eduardo, Mauro Gilberto e Paulo, conhecido como Paulinho.

    Iniciou suas atividades em 1949, quando participou da constituição da Carrocerias Nicola (hoje Marcopolo).

    Bellini exerceu suas funções em diversos setores da empresa, fazendo serviços de contabilidade, caixa, compras, recursos humanos, atendimento a clientes, fornecedores e bancos.

    Recebeu vários prêmios e homenagens de diversas entidades locais e nacionais, como  o Homem do Aço da Associação do Aço. Também foi presidente da CIC – Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul.

    Notas de pesar

    Governo do Estado

    “Hoje o Rio Grande do Sul e o Brasil perdem um grande homem: Paulo Bellini. Empreendedor, à frente de seu tempo, tornou-se conhecido mundialmente e desbravou muitas fronteiras. Simples em seu jeito de ser, sabia acolher com humanidade e sempre manteve a humildade. Paulo Bellini deixa como legado o exemplo visionário, o espírito empreendedor, a serenidade de quem ajudou a construir um império sem esquecer suas raízes. Com pesar, a Maria Helena, nossos filhos e eu nos solidarizamos com a família Marcopolo, com os familiares de Paulo Bellini. Hoje, nós perdemos um grande amigo. Seu exemplo de vida será eterno”, afirmou o governador José Ivo Sartori.

    Prefeitura de Caxias do Sul​

    O prefeito Daniel Guerra lamenta a morte do empresário Paulo Bellini, ocorrida nesta quinta-feira (15/06), e manifesta solidariedade aos familiares nesse momento difícil. "É com pesar que recebemos essa notícia da perda de um homem tão empreendedor e talentoso, que contribuiu tanto para o desenvolvimento e para a economia de Caxias do Sul, gerando trabalho, emprego e renda para a população. Mais do que isso, Paulo Bellini levou a marca de Caxias do Sul para o mundo, exportando não apenas a produção de ônibus, mas de talentos profissionais para outras nações, e representou muito bem o que nós somos: um povo trabalhador, guerreiro, empreendedor e forte. Além da veia empresarial, era um homem de uma solidariedade ímpar, muito humilde e acessível a todos os colaboradores indistintamente. Mesmo com a partida, o empresário deixa um legado incalculável para a história de nossa cidade", declarou Daniel Guerra.

    Câmara de Vereadores de Caxias do Sul

    A Câmara de Vereadores de Caxias do Sul manifesta seu pesar pelo falecimento na manhã desta quinta-feira, 15 de junho de 2017, de um dos caxienses mais ilustres de sua história. O empreendedor e líder empresarial Paulo Bellini deixa como legado uma marca mundial, a Marcopolo, empresa que orgulha Caxias do Sul.

    Sua visão comunitária foi marcante na colaboração com a Festa da Uva e em obras sociais nas quais se envolveu. Por sua trajetória empresarial e cidadão, Bellini foi agraciado por este Poder Legislativo com o Título de Cidadão Emérito. 

    Esta Casa lamenta a perda de personagem tão relevante para a construção da imagem pública de Caxias do Sul e de sua gente e apresenta sua solidariedade aos familiares e a todos quantos tiveram a oportunidade de conviver com Paulo Bellini

    Simecs

    Conforme o presidente da entidade, Reomar Slaviero, a morte do industrial representa uma lacuna no segmento industrial do país, especialmente para as 3.600 empresas associadas e representadas pelo SIMECS, entidade pela qual Paulo Bellini foi presidente no período de 1962 até 1964.
     
    “Um homem simples, acessível, Paulo Bellini, ao longo dos seus 90 anos de vida carregou na bagagem, entre outras coisas, o conceito de uma empresa que ele ajudou a construir e a projetar internacionalmente. Bellini é o sinônimo de Marcopolo, empresa que fez do trabalho em equipe a receita para se transformar numa das maiores fábricas de ônibus do mundo”, acrescentou o dirigente do SIMECS.
     
    O exemplo de vida e trabalho de Paulo Bellini fez com que o SIMECS reconhecesse a sua trajetória empreendedora com a entrega do Mérito Metalúrgico Gigia Bandera, sendo um dos primeiros homenageados com esta distinção.
     
    “É um momento triste para todos nós, mas o legado do empresário Paulo Bellini servirá de motivação para seguirmos adiante, acreditando no trabalho como fonte de realização”, concluiu Reomar Slaviero.

    Simplás

    O Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) recebe com profundo pesar a notícia do falecimento do empresário Paulo Bellini, fundador e presidente da Marcopolo.

    "Além de um amigo, perdemos um líder e uma referência de pioneirismo da indústria de transformação e transportes. Um empresário responsável pela liderança na geração de empregos e renda a milhares de trabalhadores e suas famílias por décadas. O Brasil tem uma importante parcela de seu desenvolvimento social e econômico devidos ao empreendedorismo, à criatividade e à visão privilegiada de Paulo Bellini", lamenta o presidente do Simplás, Jaime Lorandi.

    O Simplás estende suas condolências a familiares, amigos, colegas e colaboradores do grupo Marcopolo.

    Randon

    Amigos de longa data e parceiros no empreendedorismo, Raul Randon e Paulo Bellini trilharam caminhos semelhantes. A primeira frase que vem à mente de Raul Randon, ao falar do amigo que se foi, é a de que "começamos juntos, éramos amigos, trocávamos ideias. Mas o  tempo passa e um dia termina, mas a imensa obra do Paulo vai ficar representada numa empresa vencedora e nos milhares de empregos e famílias que vivem dela. Paulo nunca desanimou. Enfrentava as crises e saia delas mais forte. Sempre teve confiança no Brasil e lutou para promover o desenvolvimento e o progresso para que nossos jovens vissem futuro no país onde nasceram. Foi-se um grande cidadão.

    Gaúcha
     
    Comentários