A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 12/08/2017 12h57

    Prefeitura abre sindicância para apurar conduta de dois médicos no Postão 24 Horas de Caxias do Sul

    Fato investigado aconteceu na última quarta-feira (9)

    A prefeitura de Caxias do Sul abriu uma sindicância para investigar a conduta de dois médicos servidores no Postão 24 Horas. O fato investigado aconteceu na última quarta-feira (9).

    Conforme a prefeitura, a sindicância é baseada em relatório da coordenação de Enfermagem do Postão sobre a morte de uma paciente que chegou à unidade com quadro de parada cardiorrespiratória. Segundo o relatório, a paciente entrou no Postão às 7h45min inconsciente, sem pulso palpável e em parada cardiorrespiratória. Ela foi atendida por técnicos de enfermagem e enfermeiros, que fizeram procedimentos de ressuscitação cardiopulmonar e acionaram por três vezes a campainha de emergência do setor, solicitando apoio médico. Segundo a prefeitira, o relatório aponta que como nenhum profissional apareceu, eles tocaram a campainha por mais três vezes, até que um médico que estava em horário de descanso assumiu o atendimento, às 7h55min. A paciente morreu às 8h20min.

    A coordenação de enfermagem também apontou no relatório entregue à prefeitura que, conforme a organização dos plantões, dois médicos fariam atendimento das 0h às 4h, enquanto outros dois assumiriam das 4h às 8h. As duplas deveriam se revezar entre atendimento e horário de descanso. Segundo o relato, apesar do toque da campainha, os dois médicos escalados para atendimento no período entre 4h e 8h não compareceram quando chamados. O registro de ponto biométrico informa que um dos plantonistas que deveria estar em atendimento marcou saída às 7h46. O outro não bateu o ponto.

    De acordo com a assessora jurídica da secretaria da Saúde de Caxias, Geraldine Gollo de Oliveira, os dois profissionais que são alvos da sindicância seguem trabalhando. 

    A prefeitura afirmou que encaminhará o caso ao Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) e à Polícia Civil. 

    Conforme o presidente do Cremers, Fernando Weber Matos, assim que qualquer denúncia é protocolada o procedimento é ouvir os médicos envolvidos e, se for necessário, solicitar mais informações. Até as 10h45min deste sábado (12), ele ainda não tinha conhecimento se a denúncia já havia sido protocolada no Cremers.

    Morte de menino

    Segundo a assessora jurídica da secretaria municipal da Saúde, continua em análise pelo comitê de ética do Postão 24 Horas o caso referente ao atendimento na unidade de um menino de seis anos no final de junho deste ano.  

    O atestado de óbito apontou que a causa da morte foi insuficiência renal aguda, infecção generalizada e apendicite aguda. Antes de o menino ficar internado no Hospital Geral, a família levou a criança três vezes ao Postão.

    Conforme Geraldine, após essa análise é que a prefeitura decidirá se será ou não aberta uma sindicância. 

     

     

    Gaúcha Serra
     
    Comentários