A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 20/04/2017 22h19

    Renato explica Grêmio com reservas na Libertadores: "Quem muito quer, nada tem"

    Técnico justificou preservação dos titulares para o Gauchão

    Foto: Lucas Uebel /Grêmio/Divulgação

    Renato Portaluppi como o empate entre Grêmio e Guaraní como um grande resultado. E como o ponto conquistado no Paraguai mantém o clube na liderança de seu grupo, para o técnico, a utilização de reservas na Libertadores será importante para manter os titulares em boas condições físicas para enfrentarem o Novo Hamburgo. Confira a entrevista:

    Decisão de apostar em time reserva
    "A decisão foi tomada na última terça-feira, tivemos uma reunião. São vários motivos, procuramos fazer o melhor para o clube. Jogaríamos nesta quinta-feira, com pouco tempo para recuperar a equipe para domingo. Se tivéssemos um resultado negativo aqui, poderíamos recuperar. No Gauchão, é tudo ou nada. O desgaste tem sido muito grande. Vi outras equipes perdendo jogadores por lesão. Era para poupar, para não perder ninguém, e poderíamos recuperar na Libertadores".

    Utilização de Arthur
    Em alguns momentos durante os treinos, procurei usar ele ali. Tem muita visão de jogo e força. Testei ele mais para a frente. Ele foi muito bem, como já tinha jogado bem contra o América-MG. Toda a equipe se comportou bem, tivemos as melhores oportunidades. Mesmo com 10, tivemos forças para buscar o empate e ainda tivemos uma outra chance. Se tivesse jogado o principal e empatasse, seria um bom resultado. Então o resultado foi espetacular. Seguimos vivos na Libertadores".

    Prioridade ao Gauchão
    "O Gauchão continua importante. Estávamos vendo, talvez não tivéssemos tantos jogos assim. Vamos conversando, trocando ideia. Quem muito quer, nada tem. Você vai acabar perdendo jogadores com lesões. Os jogadores precisam estar preparados que as oportunidades aparecem. Tivemos força para buscar um resultado. É importante dar conta do recado, faz o treinador pensar duas vezes para a próxima partida. O desgaste é muito grade. Qualquer treinador que usar sempre a mesma equipe, não vai chegar a lugar algum".

    E em caso de finais do Gauchão, novas preservações na Libertadores?
    "Vamos avaliar jogo a jogo. Mas em primeiro lugar temos que passar no domingo. O Novo Hamburgo é uma grande equipe mas está em aberto. Nossa meta agora é chegar à final. Vi que o Barrios estava com câimbras. Coloquei os meninos no ataque, que são rápidos para recompor".

    Zero Hora
     
    Comentários