A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 02/07/2013 14h34

    Rios Poluídos: Índice de tratamento de esgoto lançado no Rio Gravataí cai em 10 anos

    Cachoeirinha é o município com a maior queda

    Foto: Eduardo Matos /clicRBS

    O índice de tratamento de esgoto lançado no Rio Gravataí caiu em vez de aumentar nos últimos 10 anos. Em 2003, a média era de 11,83% e hoje é de 10,25%, segundo levantamento feito pela Rádio Gaúcha na série de reportagens Rios Poluídos. O tratamento não conseguiu acompanhar o crescimento dos municípios. A maior queda no índice de tratamento de esgoto ocorreu em Cachoeirinha, de 42% para 25%. Três dos nove municípios que fazem parte da Bacia do Gravataí têm tratamento zero de esgoto: Taquara, Santo Antonio da Patrulha e Glorinha. O engenheiro da Fundação Municipal do Meio Ambiente de Gratavaí, Paulo Muller, ressalta que o esgoto sem tratamento é o principal motivo da poluição das águas.
     
    ¿Um dos grandes problemas do Rio Gravataí é o esgoto cloacal que é lançado nessas cidades sem tratamento¿, reforça Muller.
     
    A reportagem flagrou muita sujeira no Rio Gravataí. Até o pedaço de um carro estava nas águas. O Rio Gravataí foi considerado o 2º mais poluído do Rio Grande do Sul e o 5º do Brasil. Confira na tabela abaixo os percentuais de tratamento de esgoto nos municípios que fazem parte da Bacia do Rio Gravataí.


    2003

    2013

    Bacia do Rio Caí

    0,10%

    1,14%

    Bacia do Rio Gravataí

    11,83%

    10,25%

    Bacia do Rio dos Sinos

    2,89%

    4,18%

    Bacia do Rio Gravataí

    11,83%

    10,25%

    Alvorada

    17%

    20%

    Cachoeirinha **

    42%

    25%

    Canoas

    11%

    13%

    Gravataí **

    29%

    25%

    Glorinha

    0%

    0%

    Porto Alegre *

    7,3%

    7,3%

    Santo Antônio da Patrulha

    0%

    0%

    Taquara

    0%

    0%

    Viamão

    0,2%

    2%

    * É levado em conta somente o esgoto lançado no Rio Gravataí. Não inclui o lançado no Guaíba.
    ** Tratamento de esgoto não acompanhou o aumento de residências

    Fontes: Corsan e Prefeituras

     

     

    Assista ao vídeo:

    Ouça a reportagem:

     
    Comentários