A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 27/11/2014 11h32

    Tarso Genro diz que o PT precisa reconhecer os erros e mudar

    Governador falou em entrevista ao Timeline Gaúcha nesta manhã

    Tarso Genro disse que o PT precisa de mudanças

    Foto: Bruno Alencastro /Agencia RBS

    A pouco mais de um mês de deixar o comando do Rio Grande do Sul, Tarso Genro falou em entrevista ao Timeline Gaúcha nesta quinta-feira (27) sobre o processo de transição no governo estadual e fez uma avaliação sobre o que classificou como uma crise enfrentada pelo PT após 12 anos de gestão no governo federal. Ao reforçar que não vai concorrer mais a cargos públicos, Tarso disse que o partido enfrentou os impactos negativos de estar no poder e agora precisa reconhecer os erros e mudar.

    "O poder sempre causa mazelas, problemas, deformidades. Partido com dignidade precisa reconhecer as mazelas e saber mudar. É isso que eu me proponho a ajudar a fazer", disse o governador.

    Tarso ainda disse que o PT deixou um legado à sociedade na redução das desigualdades e na inserção do Brasil na economia global, mas também cometeu muitos equívocos o que, segundo ele, são comuns a todas as siglas no Brasil. "Eu falo do PT porque é meu partido, mas não tem nenhum partido no Brasil que não seja maculado, que não tenha sido processado por cometer ilícitos", afirmou, em referência a escândalos de corrupção.

    Ao reforçar que não pretende concorrer mais a nenhum cargo público, ele disse que quer trabalhar pelo processo de reformulação do PT, fazendo com que o partido seja vanguarda num novo ciclo da política, focado na transparência e no controle da gestão pública.

    Tarso ainda falou sobre a transição no governo estadual e afirmou que concorda “literalmente” com a frase do governador eleito José Ivo Sartori, que disse que “transição é transição”. Ele também comentou a sanção pela presidente Dilma Rousseff do projeto de renegociação da dívida dos Estados, uma de suas bandeiras durante a gestão, e disse que não vai assumir a função de chefe da oposição nos próximos quatro anos.

    O governador ainda falou sobre temas mais amenos, como partidas de futebol com a família em casa e até sobre a relação com a mulher, Sandra.

    Áudios
     
    Comentários